__________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________

Em cada um de nós existe um poema .
Um por escrever ... um escrito que se quer procurado e se mantêm escondido na alma ... no coração.
Ser poeta ... não é escrever poemas.
É saber descobrir na poesia ... a parte que falta em si, a parte que falta ... nos outros .

Urbano Gonçalo




quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Conquest of paradise



Sempre gostei de história.
Portugal como todos sabem tem o seu papel na história deste planeta, e digo isto com muito orgulho.
É muito difícil imaginar hoje em dia, como seriam verdadeiramente os séculos das descobertas marítimas. Para nós hoje é impensável, alguém já sequer ter pensado que o mundo era ... quadrado, que existiam monstros marinhos imensos, etc, etc.
Quase não sabemos usar já ... uma bússola, quase já não imaginamos o mundo sem a net, os telemóveis, radares, satélites ...
Agora imaginem-se embarcar num barco de madeira (quase um bote dos modernos transatlânticos!!), não saber ao certo se chegaria algum dia a algum destino, arriscar o desconhecido temido, usar as estrelas como guia, os ventos como propulsão do navio, tudo mas tudo era ... fantasmagórico, irreal.

Quem de nós tem hoje essa coragem?

Deixo aqui uma das histórias verídicas desse tempo, numa altura em que os Portugueses já conheciam um pouco do mundo, até porque tem relação com a minha cidade.

A história das"Tripas à moda do Porto"

O Infante D. Henrique, precisando de abastecer as naus para a tomada de Ceuta, na expedição militar comandada pelo Rei D. João I em 1415, pediu aos habitantes da cidade do Porto (burgo), todo o género de alimentos.
Todas as carnes que a cidade tinha foram limpas, salgadas e acamadas nas embarcações, ficando a população sacrificada unicamente com as miudezas para confecionar, incluindo as ... tripas.
Foi com elas que os portuenses tiveram de "inventar" alternativas alimentares, surgindo assim o prato "Tripas à moda do Porto", que acabaria por se perpetuar até aos nossos dias, e tornar-se ele próprio, num dos elementos gastronómicos mais caraterísticos da região.
De tal forma que, com ele, nascia também a alcunha de "tripeiros", como ficaram conhecidos os portuenses desde então.


À falta de um vídeo dessa aventura, deixo o de uma outra de Cristóvão Colombo, esse Português que foi bater a outras portas para realizar o seu sonho, realizando assim também o de "outros" que ansiavam ter a oportunidade (que tiveram!) de conhecer mais um pouco do mundo e privá-lo também de ... grandes civilizações.

Bom, mas isso são outras conversas!!!!

1 comentário:

G I L B E R T O disse...

Urbano, meu irmão

Como sabes, Portugal é minha segunda Pátria, meu pai é luso e mora aí nesta terra magnifica de Pessoa e Vasco da Gama.

quando aí estive deliciei-me com as maravilhas e as belezas magicas de Lisboa e suas imediações, estive na Boca do Inferno em Cascais e a sensação de se estar lá é grandiosa. A gente se sente pequeno diante de tanta magnitude, exuberância e beleza.

Faltou ir em Porto, mas isto já está agendado quando eu for aí da próxima vez que será logo, ano que vem ou no máximo, no outro, aí irei conhecer a gastronomia portense.

Abraços ao amigo e sempre grato pelos e-mails maravilhosos que me mandas!

És um amigo notável!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...