__________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________

Em cada um de nós existe um poema .
Um por escrever ... um escrito que se quer procurado e se mantêm escondido na alma ... no coração.
Ser poeta ... não é escrever poemas.
É saber descobrir na poesia ... a parte que falta em si, a parte que falta ... nos outros .

Urbano Gonçalo




sábado, 17 de março de 2012

Streets of Philadelphia ...

Ao ouvir esta bela música e ... ler este belo poema (quem disse que as músicas não os tinham?!!), pensei que no fundo, todos nós temos também as nossas "Streets of Philadelphia" dentro de nós.
Mas ... o que quero eu dizer concretamente com isto?
Bom, não sendo o caso (não será?) concreto da música para o filme, o "tema" é subjacente e talvez mesmo inerente ao nosso interior humano.
As nossas "streets" entre coração, razão, intenção, emoção, desejo, certezas, dúvidas, ansiedades, etc, etc, são por demais complicadas e excessivamente movimentadas.
Quando muitas vezes pensamos viver um mundo, damos por nós a viver num outro. Não o nosso mas ... o dos outros.
Daí que me apercebo de por vezes necessitar-mos de uma pausa, de um recolhimento, de alguma solidão.
Muitos nossos conhecidos da blogosfera já o fizeram, outros atualmente o fazem outros ainda ... o farão.
Compreendo, talvez até um dia eu seja ... mais um.
Mas fico triste quando eles não voltam, de dentro de si ... para nós, para os outros.
Conheci aqui felizmente, alguns bons escritores(as), poetas, algumas "mentes" acima da média, alguns estão ainda no seu recolhimento, mas ... é bom que saibam que ... são importantes, que as suas ideias, ideais e sobretudo companhia, são apreciados e ... aguardados.
Encontrar o caminho de volta para "nós", é a cada dia de reclusão mais difícil.
Urge pois, que seja qual for a situação, ela seja devidamente amenizada, simplificada, e quiçá ... desvalorizada.

Pessoalmente gosto da solidão, preciso a tempos dela, ela não me atemoriza.
No entanto sei que ela é como o mar, que muitas vezes está enganadoramente calmo e nos convida a nadar sempre um pouco mais longe da costa ... ...

Este post é pois para todos aqueles que devido às contingências da vida, se perderam no tempo, se perderam da vontade, etc.
Voltem, deixem o "conforto" das vossas solidões,
desafiem o mundo com o vosso talento.
Ele bem precisa!!



1 comentário:

Fátima disse...

Belo post meu amigo!
Bjs.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...